11 5632-3040 suporte@ttisi.com.br
12 DICAS PARA USO DE FERRAMENTAS DE ASSESSMENT
Ferramentas de Assessment 12 Dicas para o Uso

Ferramentas de Assessment são um meio para a realização de um objetivo, atender uma necessidade ou contribuir para a solução de um problema. Boas ferramentas de Assessment aumentam a precisão e a qualidade de um resultado, desde que a pessoa que a esteja usando saiba utilizá-la, obviamente. A inabilidade, falta de conhecimento e pouca experiência podem trazer mais problemas do que soluções, no uso delas.

Muitas vezes, o uso de ferramentas não é uma pré-condição para a realização de uma tarefa, porém pode oferecer importantes vantagens para que o resultado seja atingido com maior velocidade, qualidade, eficiência e menor desperdício, evitando retrabalhos e prejuízos.

Ferramentas de Assessment adequadas e a apropriada capacitação no uso destas podem ser marcos de evolução no trabalho de uma pessoa.

Ferramentas de assessment são meios para melhor conhecer uma pessoa, bem como para ela criar uma maior consciência de seus talentos e limitações – ou oportunidades de desenvolvimento. Podem ser utilizadas em processos de seleção de pessoas, promoção, colocar a pessoa certa no lugar certo e para diversos tipos de intervenções de desenvolvimento. Analisam comportamentos, valores/motivadores, inteligência emocional, competências, axiologia, estresse e outras dimensões.

A seguir, algumas dicas para um melhor uso destes recursos que podem, de fato, contribuir positivamente para pessoas e organizações.

  1. Um relatório de assessment não é uma pré-condição para o seu trabalho, é apenas um diferencial para elevar o seu trabalho a um patamar mais elevado.
  2. Se você não dominar os fundamentos, não souber onde e como utilizar e não praticar muito, a ferramenta de assessment pode mais prejudicar do que contribuir para a pessoa analisada.
  3. Não basta poder comprar a ferramenta, é fundamental saber usá-la, caso contrário os prejuízos poderão ser maiores do que dos benefícios.
  4. É um início de parágrafo e não um ponto final. É um meio e não um fim. Uma ferramenta de assessment deve abrir as portas da comunicação, não as fechar.
  5. Um relatório ou gráfico é apenas o início da elaboração do resultado de uma pessoa, o qual deve ser construído a quatro mãos. Interagir e ouvir a pessoa analisada é crítico para a qualidade da análise.
  6. Todas as ferramentas possuem um propósito e limites. Saber até onde uma ferramenta pode ir, tendo clareza do que ela não faz, é tão importante quanto saber o que ela identifica e mensura.
  7. A responsabilidade por um trabalho de qualidade sempre deve ser do profissional que usa a ferramenta de assessment, inclusive por ter sido a pessoa que a escolheu, ou, se não foi o caso, aceitou trabalhar com ela.
  8. Nenhuma ferramenta é perfeita, a melhor que existe, à prova de manipulação, melhor do mundo ou algo parecido. Aliás, se quem vende está dizendo essas coisas, provavelmente não é.
  9. Ferramentas não ouvem, falam ou decidem, são apenas fontes de informação, para serem analisadas por uma pessoa, que será quem irá decidir e ser responsável pelas consequências do uso.
  10. O resultado de uma pessoa – sua entrega profissional, por exemplo – é a resultante de uma série de variáveis. Perfil comportamental, por exemplo, é apenas uma das várias fontes de informação que podem ser relevantes em um processo de seleção ou desenvolvimento de pessoas. O peso que uma ferramenta de assessment deve ter em uma decisão também deve variar em razão de outras dimensões de análise, que podem ser mais ou menos importantes para o cargo que a pessoa ocupa ou pretende ocupar, por exemplo.
  11. Se o resultado estiver certo, ele não diminui, aumenta ou inventa, apenas retrata o que está lá. O resultado deve ser confirmado pela pessoa analisada, com evidências que comprovem as informações apresentadas pelo instrumento.
  12. Nenhuma ferramenta mede tudo, é sempre o retrato de uma parte. O mapa hidrográfico do Brasil não representa o Brasil, apenas parte dele, no caso, os rios que fazem parte de nosso país.

Como qualquer produto ou serviço, com certeza haverá no mercado ferramentas muito boas, medianas e muito ruins. Para a sua segurança, pesquise o histórico da empresa e de quem desenvolveu o instrumento. Habilidades verbais, carisma, técnicas de influência (ou manipulação), egos inflados ou necessidade de holofotes e de “likes” não servem para validar e trazer qualidade para uma ferramenta.

Lembre-se: para cada afirmação deve haver uma evidência para comprová-la.

A dica mais importante, acredito eu, é que a autoridade maior nunca deve ser da ferramenta de assessment, mas sim da pessoa que a analisa, interpreta e utiliza as informações que o instrumento traz, em conjunto com outras fontes de informação, para orientar pessoas e tomar decisões, deixando um legado positivo por onde passar.

Você também pode gostar…
×