Quando pensamos na frase “A pessoa certa no lugar certo” abrimos caminho para uma pergunta: “É possível haver a pessoa errada?”, tomando como princípio que estamos analisando uma pessoa pela lente de um perfil comportamental, o DISC por exemplo, nunca temos a pessoa errada, ela é sempre certa.

Podemos sim questionar se ela está no lugar certo ou errado, o lugar certo é quando percebemos um alto grau de aderência entre os padrões comportamentais naturais dela com as demandas comportamentais do cargo.

Lugar errado é quando a posição analisada no local de trabalho necessita de comportamentos e outros atributos que a pessoa não possui.

Importante reforçar a ideia de “grau de aderência” e não usar como critério a compatibilidade perfeita entre o que o cargo pede e o que a pessoa pode oferecer.

Esperar uma compatibilidade total pode trazer frustração ou mais frustração.

Parte da frustração poderá vir da dificuldade de encontrar uma pessoa que tenha exatamente o mesmo perfil do cargo e a outra parte é quando encontra-se a pessoa com o perfil cem por cento adequado ao cargo, porém em razão da obstinação em encontrar a exata combinação entre perfil da pessoa e do cargo esqueceu-se de analisar experiência, maturidade, conhecimento, referências, etc., o que no final traz mais frustração, devido à baixa performance da pessoa.

Esperar uma compatibilidade perfeita entre todas as variáveis possíveis e importantes de uma pessoa, que precisam ser levadas em consideração para se comparar com seu respectivo cargo, pode ser considerado sem muito receio, uma utopia.

Ao analisar o grau de aderência entre uma pessoa e seu respectivo cargo é fundamental deixar uma boa margem para iniciativas de desenvolvimento e principalmente, valorizar a vontade de cada um em aprender aquilo que não é natural ou ainda desconhece e também a importantíssima vontade de vencer na vida pessoal e profissional.

× Como podemos te ajudar?